Dicas para Economizar na Iluminação

Por Fernandy T. Ito - Junho de 2009

A iluminação doméstica é responsável por uma parcela importante do gasto com energia na casa. No Brasil, a fonte de energia mais usada para iluminação ainda é a elétrica. Do total gasto numa casa, algo como 15 a 20% da conta de energia elétrica, diz respeito ao gasto com a iluminação. Ao economizar com iluminação você contribui para o orçamento da casa, mas o mais importante, ajuda o meio ambiente porque a geração de energia elétrica tem impacto ambiental. Mesmo no Brasil, onde predominam as usinas hidrelétricas, a redução no consumo de energia elétrica é fundamental para o ambiente, porque nosso sistema é integrado e com a presença das usinas termoelétricas e nucleares, que em conjunto contribuem para o aumento de danos ambientais. Finalmente, se todos economizarem 10 a 20%, não será preciso ampliar o sistema que vive “no talo” ameaçando-nos com o “apagão”.

 

Veja algumas dicas para economizar com iluminação:

  • Ambiente pintado com cores claras, especialmente o teto, reflete melhor a luz e reduz os gastos com iluminação.

  • Em áreas coletivas, como corredores e escadas de prédios, use interruptores temporizados (minuteiras) ou sensores de presença para evitar que as lâmpadas fiquem acesas quando ninguém está no ambiente.

  • Em áreas externas, use fotocélula para acionar as lâmpadas. Isso vai evitar o acendimento delas quando a luz solar é suficiente.

  • Os dimmers são dispositivos que controlam a intensidade de luz emitida pelas lâmpadas economizando energia e ainda permite que você ajuste a luminosidade do ambiente.

  • Lâmpadas: há vários tipos de lâmpadas para uso doméstico, mas vamos falar sobre as mais econômicas como as fluorescentes compactas e as que usam a tecnologia de LEDs.

 

ECONOMIA E SUSTENTABILIDADE PARA UM CUSTO MENOR.

1. SE VOCÊ USA LÃMPADA INCANDESCENTE (BULBO):

Consumo: 60W (está gravado no bulbo)
Consumo real: 90W (na prática perde 50% da luz que é transformada só em calor)
Fluxo luminoso: 900 lumens
Vida útil: 1.000 horas
Preço: R$ 1,80
Eficiência luminosa: 10 lumens/Watt
Numa casa ecológica: não recomendada

Inventadas por Thomas Edison, são as mais antigas, mais baratas e mais usadas. Tem uma temperatura de cor quente e sua luz amarelada cria ambientes agradáveis e aconchegantes. Entretanto, são as que mais consomem energia e têm a menor vida útil. Lâmpadas incandescentes devem ser evitadas em uma casa ambientalmente correta. Procure restringir o uso delas aos locais de convívio íntimo. Não as use em corredores, ambientes externos, banheiros, garagens, depósitos, cozinhas e locais que podem receber uma iluminação mais fria. Metade da energia elétrica que consome transforma em calor. Daí o desperdício.

 

2. SE VOCÊ AINDA USA LÃMPADAS HALÓGENAS

Consumo: 50W
Fluxo luminoso: 900 lumens
Vida útil: 2.000 horas
Preço: R$ 7,00
Eficiência luminosa: 18 lumens/Watt
Numa casa ecológica: não recomendada

Introduzidas no mercado mais recentemente, produzem uma luz branca e brilhante, indicada para realçar objetos no ambiente. Por isso, são muito usadas no comércio em vitrines, mostruários, etc. Em casa, são usadas para fins decorativos como para dar destaque a objetos de decoração. Tem consumo relativo um pouco menor e são mais duráveis do que as incandescentes. Como regra geral, a casa ambiental não deve ter lâmpadas halógenas.

 

3. SE VOCÊ USA AS CLÁSSICAS FLUORESCENTES TUBULARES

Fluorescentes tubulares
Consumo: 20 W
Fluxo luminoso: 1.000 lumens
Vida útil: 7.500 horas
Preço: R$15,00
Eficiência luminosa: 50 lumens/Watt
Numa casa ecológica: recomendada

Muito usadas em escritórios, também podem ser usadas em casa. Sua temperatura de cor é fria e sua luz branca cria ambiente um tanto frio. Podem ser usadas em áreas como cozinha, copa, garagem, banheiro, corredor, etc. Não devem ser quebradas e seu descarte exige coleta especial porque utilizam mercúrio em sua fabricação. Para funcionar, precisa de reator e “starter”, o que representa um custo adicional na sua conta de luz. São lâmpadas de baixo consumo de energia se comparada com a incandescente ou a halógena, pois ainda perde em eficiência quando se leva em consideração o fato de que o reator+ignição consome algo perto de 30% a mais, ou seja, se estiver escrito no bulbo de vidro como sendo 40 watts, leve em consideração um acréscimo de 12 watts a mais ou que dá 52 watts de consumo nominal. Com vida útil às vezes grande, algo em torno de 7.000 horas, são indicadas para casas ecológicas.

 

4. SE VOCÊ USA AS COMPACTAS, JÁ PODE PENSAR EM ECONOMIA.

Fluorescentes compactas
Consumo: 15W
Fluxo luminoso: 900 lumens
Vida útil: 8.000 horas
Preço: R$10
Eficiência luminosa: 60 lumens/Watt
Numa casa ecológica: altamente recomendada

Mais recentes no mercado, são a evolução das lâmpadas de fluorescentes tubulares. Além da vida útil longa e do baixo consumo, os "compactos fluorescentes" apresentam outras vantagens: podem ser rosqueadas nos mesmos bocais das lâmpadas incandescentes, possuem reator e starter jáembutidos e, por serem compactas, se adaptam a uma variedade maior de luminárias.  Sua temperatura de cor é fria, com luz branca, mas também são ofertados modelos com temperatura de cor mais quente. A desvantagem delas ainda é o preço, bem mais alto que o das incandescentes. Quase cinco vezes mais. O investimento inicial maior, mas é compensado pela vida útil longa e pela economia de energia elétrica, se utilizada de forma correta, ou seja, não incorporar sensores de presença ou mesmo dispositivos como a célula fotoelétrica. Tudo isso pode acarretar uma perda da sua vida útil.. Em termos ecológicos, seu descarte ou quebra exigem coleta de resíduos especial por causa do mercúrio presente nos tubos, mas recomendadas para casas ecologicamente corretas, com algumas restrições.

 

5. A MODERNA ILUMINAÇÃO QUE ALIA BAIXO CONSUMO E SUSTENTABILIDADE: LEDs

Dicróica a led. Tubular a led.
Consumo : 1,5 W (para Dicróica) e 10 w (para uma tubular de 60 cm )
Fluxo luminoso: 300 lumens
Vida útil: 50.000 horas
Preço: R$25,00 (dicróica) e R$ 150,00 ( para uma tubular de 60 cm);
Eficiência luminosa: 200 lumens/Watt
Numa casa ecológica: altamente recomendada

 

A maioria das pessoas conhece LEDs somente como aquelas pequenas “luzinhas” encontradas nos diversos equipamentos eletrônicos de hoje. Atualmente, mais do que indicadores de “liga e desliga” nos celulares principalmente, as lâmpadas de LEDs já são realidades. As lâmpadas de LEDs representam a nova promessa da indústria para reduzir o consumo de energia com iluminação. Numa aplicação ainda mais sofisticada dos LEDs, vamos encontrar televisores de altíssima definição já à venda no mercado.

Como luminária, a aplicação desta tecnologia, tem alcançado nos últimos dois anos, extraordinários avanços: tanto no aperfeiçoamento tecnológico, quanto no preço. Embora ainda com preço acima das lâmpadas convencionais, quando calculadas olhando para o benefício, conclui-se que vale a pena. Senão vejamos:

  • Sua durabilidade (algo como 11 anos de uso, usando a mesma por 12 horas. Um uso que chega a 50.000 horas de funcionamento), sem contar que elas proporcionam baixíssimo consumo de energia.

  • Seu consumo: como regra geral, uma economia que varia de 60 a 90% na conta de luz. Dependendo do tipo de lâmpada empregada para comparação.

  • Não gera calor, pois 95% da força da luz é destinada a geração da luz.

  • Não emite infra-vermelho nem ultra-violeta, não consumindo o oxigênio do ambiente, não degradando o ar que se respira num ambiente fechado.

  • Resistente a impactos mecânicos, pois o LED é um estado sólido. É uma “placa de silício”.

  • Instalações típicas, onde se consome luz de forma intensa (como escritórios e lojas), o resultado final tem demonstrado uma volta do investimento em torno de 18 meses do que foi investido. Seu uso atual é mais voltado para substituição das lâmpadas halógenas, das lâmpadas de gás pressurizado (mistas, vapor de mercúrio e de sódio, etc), todos pensando na economia que traz. Com a queda nos preço unitário, certamente acontecerá a popularização. A evolução da lei da oferta e procura destes últimos dois anos tem proporcionado a este mercado um crescimento em torno de 20% ao ano.

Certamente nos próximos 2 ou 3 anos, sua casa estará sendo iluminada por LEDS.